Iniciar sessão

Votação

A pessoa de quem cuida está acamada?

Newsletter

Mantenha-se informado sobre as nossas novidades.

A demência com corpos de Lewy

Idoso a realizar um exame ao cerebro
Créditos Imagem

A demência com corpos de Lewy é uma perturbação mental provocada pela presença de corpos de Lewy no cérebro. Trata-se de uma doença neurológica rara, que é muitas vezes confundida com a doença de Alzheimer. Saiba o que é a demência com corpos de Lewy e conheça um pouco mais acerca do funcionamento da cognição humana.

O que é a demência com corpos de Lewy

A demência com corpos de Lewy ou doença corpuscular de Lewy é uma doença neurológica rara que afeta principalmente a cognição humana e a forma como as pessoas se movimentam. Pode ser facilmente confundida com a doença de Alzheimer e é provocada pela acumulação de uma grande quantidade de substâncias chamadas corpos de Lewy no tronco encefálico e no córtex cerebral. Os corpos de Lewy são constituídos por proteínas alfa-sinucleína, neurofilamentares e pela ubiquitina e estas contribuem para a degeneração dos neurónios.

A demência com corpos de Lewy é a terceira causa mais frequente de internamento por demência, depois da doença de Alzheimer e da Demência Vascular e afeta principalmente as pessoas com mais de 50 anos de idade.

A expressão “demência com corpos de Lewy” foi estabelecida recentemente com o intuito de simplificar e de agregar um grande número de terminologias utilizadas para descrever as doenças com sintomas semelhantes à doença de Parkinson, como a variante com corpos de Lewy da doença de Alzheimer, demência associada com corpos de Lewy corticais, demência senil do tipo corpos de Lewy, doença com corpos de Lewy difusos, entre outros.

Quais são os sintomas da demência com corpos de Lewy

A demência com corpos de Lewy é uma perturbação clínica caracterizada por défices cognitivos múltiplos que são capazes de interferir nas atividades mais básicas do dia-a-dia de um paciente. Trata-se de uma desordem que apresenta os sintomas principais seguintes:

  • Sintomas da doença de Alzheimer, como a perda de memória, alteração de humor, desorientação, dificuldades de comunicação, perda de iniciativa e decisão, perda das habilidades motoras, entre outros.
  • Sinais da doença de Parkinson, tais como lentidão de movimentos, rigidez dos braços e das pernas, passo irregular e arrastado, postura inclinada, tremores e diminuição das expressões faciais (rosto sem expressão).
  • Alucinações visuais, olfativas e auditivas. A mente leva o paciente a pensar que está a ver pessoas ou objetos que não se encontram presentes. Assim como também o leva a acreditar em cheiros e barulhos desconexos da realidade.
  • Sentimentos de desilusão e de depressão.
  • Mudanças comportamentais. A pessoa que sofre de demência com corpos de Lewy tanto se encontra no seu estado normal, como se apresenta num estado de sonolência ou de confusão. A flutuação entre estes dois estados pode ser rápida (minutos ou horas) ou pode decorrer durante um maior período de tempo (semanas ou meses).

O declínio cognitivo na demência com corpos de Lewy

O declínio cognitivo na demência com corpos de Lewy é progressivo e interfere na capacidade funcional do indivíduo, nomeadamente nas suas funções executivas, capacidade de resolução de problemas e atividades da vida diária. É de realçar que a atenção, as tarefas executivas e as habilidades visuais e espaciais são os domínios cognitivos mais comprometidos nas fases iniciais, com relativa preservação da memória. Este aspeto é muito importante, pois o facto de manter a memória, diferencia-o da doença de Alzheimer.

Porém, com a progressão da doença, as diferenças com as outras demências vão-se esbatendo. Os pacientes que sofrem de demência com corpos de Lewy costumam apresentar episódios frequentes de quedas ou síncopes. Outro aspeto muito importante é a hipersensibilidade ao uso de neurolépticos, que agravam os sintomas de parkinsonismo, muitas vezes, sem melhoria dos sintomas psicóticos.

Como diagnosticar a demência com corpos de Lewy

Atualmente, não existe forma de saber como é que os corpos de Lewy se formam no cérebro, pois só é possível confirmar que uma pessoa sofre desta perturbação depois de estar morta, após a realização da sua autópsia. Contudo, apesar de não poder ser confirmada, a demência com corpos de Lewy pode ser diagnosticada clinicamente. Esse diagnóstico baseia-se nos sintomas evidenciados pelo paciente, nos medicamentos que está a tomar, na sua história médica e na realização de exames neuropsicológicos. Estes exames têm como objetivo:

  • Avaliar habilidades cognitivas, como a memória, a atenção, a orientação, o uso da linguagem e a capacidade de realizar tarefas e de seguir instruções.
  • Raciocinar, desenvolver o pensamento abstrato e resolver vários problemas e exercícios matemáticos.
  • Dar um diagnóstico mais preciso e detalhado acerca do problema que está a prejudicar o paciente afetado.
  • Servir de matriz para comparações futuras. A comparação de exames (o último com o primeiro) permitirá medir as mudanças que ocorreram na capacidade cognitiva. Assim sendo, os testes devem ser realizados periodicamente para ver como as pessoas afetadas estão a reagir aos tratamentos e para verificar se existem novos problemas.

Este método é baseado na deteção de sinais que podem ser muito subtis e nas probabilidades de existir uma condição específica. Por outro lado, é de destacar que a tomografia computadorizada (TC) do crânio e a ressonância magnética (RM) são, normalmente, dois exames obrigatórios para saber se um idoso sofre de demência.

Como tratar a demência com corpos de Lewy

Atualmente, não há cura ou tratamento que impeça ou que retarde os efeitos progressivos da demência com corpos de Lewy. O tratamento que é realizado visa aliviar os sintomas principais da perturbação e atrasar a perda da capacidade mental ao máximo.

Uma pessoa que sofra de demência com corpos de Lewy deve estar sempre sob cuidados médicos e sob a vigilância atenta do cuidador ou familiar responsável. Como tal, é fundamental exercitar o corpo e a mente e manter-se socialmente ativo. Para o conseguir, é necessário cumprir com os aspetos seguintes:

  • Fazer exercício físico com regularidade, de forma a manter um peso saudável
  • Realizar atividades ou desenvolver passatempos ativos que mantenham o cérebro ativo.
  • Tomar medicamentos antipsicóticos e antidepressivos para combater as alucinações, a depressão e a agitação. Por outro lado, também deve utilizar inibidores anticolinesterase, como o donepezil, o tacrine, o rivastigmine e o galantamine para decrescer as flutuações na cognição e melhorar a memória.
  • Não fumar.
  • Realizar uma dieta saudável e equilibrada, à base de frutas e de vegetais.
  • Integrar-se socialmente nas atividades do seu bairro ou freguesia. Assim, a mente estará sempre em atividade e será constantemente estimulada com novos desafios.
A sua votação: 
Average: 4.7 (55 votos)