Iniciar sessão

Votação

A pessoa de quem cuida está acamada?

Newsletter

Mantenha-se informado sobre as nossas novidades.

Como gerir os medicamentos de um idoso

Medicamento
Créditos Imagem

Os medicamentos são uma parte integrante da vida dos idosos, permitindo manter sob controle as doenças de que padecem, ajudando-lhes a viver melhor, sem dores ou desconforto. No entanto, por vezes a quantidade de medicamentos que um idoso toma é tão elevada que requer uma organização e administração com cuidados redobrados.

No médico. O acompanhamento da toma dos medicamentos por parte de um idoso começa nas consultas – se possível, deve acompanhar o idoso, para assim saber qual o seu estado de saúde, que medicamentos vai tomar, para quê, qual a dose, durante quanto tempo, se existem efeitos secundários, interações com outros medicamentos, se os comprimidos podem ser esmagados ou têm de ser tomados inteiros, ou qualquer outra questão pertinente. Não tenha receio de esclarecer todas as suas dúvidas com o médico.

Na farmácia. Sempre que for à farmácia aviar uma receita, certifique-se que o farmacêutico escreva na caixa do medicamento correspondente as indicações do médico no que toca à dose e à hora da toma. Quer leve duas caixas de medicamentos ou dez, confira sempre toda a informação para evitar confusões com a toma. Se possível, vá sempre à mesma farmácia – será uma excelente forma de criar uma relação com o farmacêutico que, para além de passar a conhecer o estado de saúde do idoso, pode ajudá-lo sempre que tiver alguma dúvida.

Como organizar? Em casa, necessita de ter um sistema de organização que possa facilmente cumprir de forma a assegurar a toma correta, à hora certa de todos os medicamentos que o idoso precisa. Há quem opte por utilizar as caixas com divisórias (pequeno-almoço, almoço, jantar, deitar) para organizar a toma diária dos seus medicamentos. Em alternativa, pode usar um gráfico (feito à mão ou no computador) onde lista todos os medicamentos, para que servem, incluindo uma pequena descrição (comprimido oval azul, comprimido redondo amarelo), a hora da toma e uma caixa para colocar um visto depois de cada toma. Igualmente prático, este gráfico tem ainda a vantagem de poder ser guardado, criando-se assim um precioso historial médico.

Caixas guardadas. Independentemente do sistema que utiliza para organizar os medicamentos do idoso, guarde sempre todas as caixas desses mesmos medicamentos. Para além de conservar a informação sobre a toma que os farmacêuticos escrevem sobre a mesma, acrescente a data em que o idoso tomou esses comprimidos e alguns comentários pertinentes como, por exemplo, se foi bem ou mau tolerado. Adicionalmente, guardar as caixas também implica guardar o folheto informativo que é crucial se necessitar de tirar alguma dúvida relacionada com efeitos secundários, interações medicamentosas ou sobredosagem. Para facilitar o seu armazenamento, pode espalmá-las e guardá-las numa caixa ou arquivador próprio para o efeito.  

À hora certa. Para ser bem-sucedido, um tratamento requer que todos os medicamentos sejam tomados à mesma hora todos os dias. Se optou por organizar os medicamentos em caixas apropriadas, estes já podem estar divididos para a hora das diferentes refeições – mantenha a caixa junto do lugar da mesa onde o idoso normalmente almoça/janta para evitar o esquecimento. Programar o telemóvel ou o despertador para lembrar a hora da toma pode ser outra opção para assegurar que o idoso não falhe a toma de nenhum medicamento. Se estiver em casa com o idoso pode administrar o medicamento, se não, informe o idoso relativamente à hora do alarme e qual o medicamento a tomar. Se esse sistema for muito complicado para o idoso, e caso não esteja em casa, agende um lembrete no seu telemóvel e ligue para o idoso nessa hora, dizendo-lhe qual o medicamento que deve tomar.

Na dose certa. É típico deixarmos de tomar um medicamento porque nos sentimos melhor ou achamos que o medicamento pode estar a fazer bem a uma coisa mas mal a outra – e os idosos não são diferentes. Assegure que o idoso respeite a toma diária dos seus medicamentos e evite tomar decisões como diminuir, aumentar ou alterar a dosagem de um medicamento sem antes falar com o médico. Se o idoso toma os mesmos medicamentos há muito tempo, é igualmente importante que, periodicamente, peça ao médico para reanalisar esse tratamento.

Prazo de validade. É crucial que tenha atenção aos prazos de validade dos diferentes medicamentos que um idoso possa estar a tomar – faça uma limpeza mensal aos medicamentos que tem em casa, levando para a farmácia tudo o que possa estar fora de prazo ou que o idoso deixou de tomar de forma definitiva. Pode guardar as caixas para o arquivo médico, mas o conteúdo deve ser devolvido à farmácia.

A sua votação: 
Average: 4.4 (16 votos)