Iniciar sessão

Votação

A pessoa de quem cuida está acamada?

Newsletter

Mantenha-se informado sobre as nossas novidades.

Cancro numa pessoa idosa: sinais e sintomas

Mão de mulher apoiada no peito
Créditos Imagem

O cancro é uma doença que atinge todas as idades, no entanto, devido ao envelhecimento do corpo, as pessoas idosas são mais suscetíveis de desenvolverem um, mesmo que não existam casos clínicos detetados na família. Conheça um pouco mais acerca do cancro na terceira idade e saiba em que sinais e sintomas se deve estar com atenção.

O que é o cancro

Existem muitos tipos de cancros diferentes, como o cancro da próstata, da mama, do pulmão, da bexiga, entre outros. Todos eles se desenvolvem com a reprodução anormal de células e estas formam os tumores. Tenha em atenção que nem todos os tumores correspondem a cancro. Existem dois tipos de tumores principais:

Os tumores benignos: Este tipo de tumor não é considerado cancro e raramente coloca a vida das pessoas em risco. Normalmente, pode ser removido e, na maioria das vezes, regride, pois as células não se espalham.

Os tumores malignos: Este tipo de tumor é considerado cancro e é mais grave que o tumor benigno. Trata-se de um tumor que coloca a vida das pessoas em perigo, pois as células que o constituem podem invadir e danificar outros órgãos do corpo humano. Na maioria das vezes, este tipo de tumor pode ser removido, mas isso não significa que ele não cresça novamente.

O tempo é determinante no combate ao cancro, informe-se corretamente e consulte o seu médico em caso de qualquer suspeita. Quanto mais cedo for detetado um cancro, maiores serão as probabilidades de o tratar.

Os sintomas do cancro

Todas as pessoas que cuidam de idosos em casa devem estar particularmente atentas aos seus sinais e comportamentos. Um bom diagnóstico é fundamental para prevenir o aparecimento de um cancro. Dos sintomas mais importantes, destacam-se os seguintes:

  • Uma saliência ou nódulo na mama ou em qualquer outra parte do corpo
  • Uma verruga nova ou mudança de um sinal existente
  • Uma ferida que não cicatriza
  • Rouquidão ou tosse que não desaparece
  • Mudanças no funcionamento da bexiga e nos hábitos intestinais
  • Desconforto depois de comer
  • Dificuldade em engolir qualquer tipo de alimento
  • Aumento ou perda de peso sem qualquer tipo de razão aparente
  • Sangramento anormal
  • Sentir-se fraco ou muito cansado

Se detetar que a pessoa de quem cuida tem alguns destes sintomas, deve consultar imediatamente o respetivo médico de família. Inicialmente, o cancro não causa qualquer tipo de dor, por isso, não espere muito tempo, pois poderá ser tarde demais.

Tratamentos do cancro para idosos

Existem vários tratamentos distintos no combate ao cancro que poderão ser colocados em prática. Dos mais comuns, destacam-se os seguintes:

A cirurgia

A cirurgia é um procedimento clínico que remove o tumor maligno, assim como as células circundantes da zona afetada. A remoção dos tecidos anormais é muito importante de ser realizada, pois ajuda a prevenir o reaparecimento do tumor. Os cirurgiões utilizam vários tipos de ferramentas, o que ajuda a diminuir as hipóteses de contágio das células saudáveis.

A radiação

A terapia da radiação, também conhecida como radioterapia, utiliza raios de alta energia para matar as células cancerosas. Ela pode ser interna ou externa e, muitas vezes, os médicos fazem várias combinações de tratamentos para obter os melhores resultados.

A quimioterapia

A quimioterapia é um tratamento que utiliza medicamentos que matam as células cancerosas. A maioria das pessoas que faz quimioterapia recebe os fármacos por via oral ou através de injeção. Esta terapia é dada em ciclos, isto é, as pessoas recebem um tratamento e depois têm um período de recuperação de vários dias ou semanas antes de receber o próximo. Os efeitos colaterais dependem dos fármacos e da dose, mas acabam por causar um grande cansaço junto dos idosos, queda de cabelo e perda de apetite.

Recentemente, os médicos também têm vindo a utilizar a terapia biológica para alguns tipos de cancro. Algumas terapias biológicas ajudam as defesas do próprio corpo a diminuir a produção de células cancerosas.

Quais as perguntas a realizar sobre o tratamento do cancro

Antes de iniciar um tratamento do cancro, é necessário que o cuidador faça determinadas questões ao médico de família. São elas:

  • Qual é o diagnóstico?
  • O cancro evoluiu? Se sim, onde? Em que estado se encontra a doença?
  • Qual é o objetivo do tratamento? Quais são as opções de tratamento? Qual o tratamento mais recomendado para a pessoa em questão?
  • Quais são os benefícios esperados de cada tipo de tratamento?
  • Quais são os riscos e possíveis efeitos colaterais de cada tratamento? Como é que os efeitos colaterais podem ser controlados?
  • O que é que o cuidador pode fazer para preparar o idoso para o tratamento?
  • Qual a frequência dos tratamentos? Quanto tempo vão durar?
  • Qual é o custo médio do tratamento? O seguro médico ou o sistema de saúde cobre todas as despesas?
  • Quais são os novos tratamentos que poderão ser aplicados? O tratamento é o mais adequado para a pessoa?

Assim que o cancro for diagnosticado, deve-se procurar recolher a opinião de diferentes especialistas como, por exemplo, a de um oncologista, cirurgião, oncologista de radioterapia, entre outros. Tenha em mente que a escolha do tratamento depende do tipo de cancro que a pessoa tenha, da sua localização e do estado (avançado ou inicial) em que se encontra, pois não existem tratamentos iguais.

Como prevenir o cancro no envelhecimento

À medida que o corpo envelhece, as hipóteses de uma pessoa mais idosa desenvolver um cancro são muito mais elevadas. No entanto, existem várias formas de prevenir o cancro, mesmo numa pessoa com mais idade. São elas:

Não fume nem utilize produtos relacionados com o tabaco. Se é fumador, deixe de o ser o mais rapidamente possível e não fume na presença de não fumadores, pois além de prejudicar a sua saúde, também poderá comprometer a dos outros.

Evite queimaduras. A exposição prolongada aos raios ultravioletas provenientes do sol ou lâmpadas solares provocam danos na pele e podem conduzir ao desenvolvimento do cancro da pele.

Tenha uma boa alimentação. Os idosos devem alimentar-se corretamente e fazer uma dieta saudável e equilibrada. Aumente a ingestão diária de vegetais e frutos e limite a ingestão de alimentos que contêm gorduras animais.

Conserve um peso baixo. As pessoas idosas que estão acima do seu peso ideal são mais suscetíveis de desenvolverem um cancro na próstata, mama, ovários, pâncreas, útero e cólon. Evite a obesidade e pratique diariamente exercício físico para estar sempre em forma.

Mantenha-se ativo. Existem vários passatempos ativos para idosos, como viajar, caminhar, dançar, nadar, entre outros, que lhes permitem exercitar o corpo e a mente. Ao praticá-los estará a cuidar da sua saúde e bem-estar e diminuirá as hipóteses de desenvolver um cancro.

Não ingira bebidas alcoólicas. Beber grandes quantidades de álcool aumenta o risco de formar um cancro na boca, garganta, esófago ou na laringe. Modere o consumo de bebidas alcoólicas, como a cerveja, vinho e outras bebidas espirituosas para ter uma vida mais saudável.

Seja prudente. Cumpra todas as instruções de segurança relativas a substâncias ou ambientes que possam causar cancro.

Participe nos rastreios do cancro. A participação nos rastreios do cancro é fundamental para conhecer se tem algum tipo de cancro. Os rastreios do cancro que devem ser sempre realizados são os do colo do útero, da mama, do cólon e do reto.

A sua votação: 
Average: 4.8 (4 votos)