Iniciar sessão

Votação

A pessoa de quem cuida está acamada?

Newsletter

Mantenha-se informado sobre as nossas novidades.

A ansiedade nas pessoas idosas

Avó e neto no sofá
Créditos Imagem

A ansiedade é uma sensação momentânea de alerta que desperta a atenção das pessoas para uma determinada situação de stress. No entanto, muitas pessoas, principalmente as mais idosas, vivem a sua vida num stress contínuo e constante, o que faz com que a ansiedade seja transformada num medo irracional. Conheça um pouco mais acerca da ansiedade nas pessoas idosas e aprenda a preservar uma estabilidade emocional.

O que é a ansiedade

A ansiedade é um sentimento incomodativo, disperso e indefinido, que pode ser acompanhado de sensações como um frio no estômago, aperto no peito, tremores e até falta de ar. Na maioria dos casos, é uma reação normal ao stress do dia-a-dia, pois é a forma como o corpo humano o enfrenta. As reações de ansiedade normais não precisam de ser tratadas uma vez que elas são naturais e esperadas. No entanto, quando a ansiedade se transforma num medo irracional excessivo, ela passa a ser patológica e transforma-se num transtorno incapacitante, conhecido como Transtorno de Ansiedade Generalizada.

O Transtorno de Ansiedade Generalizada

A ansiedade patológica tem uma duração e uma intensidade maior do que aquilo que é esperado para cada situação de stress. Na maioria das vezes, é desproporcional aos factos que a provoca, perturbando a forma de resolver os eventuais problemas. O Transtorno de Ansiedade Generalizada é considerado uma doença crónica e o seu aparecimento não faz parte do processo normal de envelhecimento. Trata-se de uma desordem que é caracterizada pela preocupação excessiva, incontrolável e frequentemente irracional com as coisas mais básicas do quotidiano. Essa preocupação exagerada interfere na vida de quem sofre da doença e faz com que os seus pacientes pensem que está tudo mal ou que algo vai acabar em desastre.

O Transtorno de Ansiedade Generalizada é mais frequente nas pessoas idosas e, geralmente, ocorre ao mesmo tempo que outras doenças como a depressão, diabetes e doenças cardíacas. Os problemas de cognição, de demência e as mudanças nas circunstâncias da vida, também podem complicar e agravar os sintomas da doença.

Quais os sintomas principais

As pessoas que sofrem de um Transtorno Generalizado de Ansiedade apresentam inúmeros sintomas contínuos e persistentes durante um período mínimo de 6 meses. Dos mais importantes, destacam-se os seguintes:

  • Dificuldades de concentração, desorientação e perda de memória
  • Dores musculares, dores de cabeça e falta de ar
  • Transpiração excessiva, fadiga, irritabilidade e tensão muscular
  • Insónias e perturbações no sono. Este sintoma é muitas vezes confundido com a apneia do sono
  • Tremores e formigueiro nas mãos, braços e pernas
  • Náuseas e tonturas
  • Problemas gastrointestinais
  • Dificuldades em engolir (Disfagia)
  • Fobia social, isolamento social e depressão

Outros tipos de transtornos de ansiedade

Existem outros tipos de transtornos de ansiedade que podem comprometer a forma de estar e de atuar de uma pessoa. São elas:

O Transtorno Obsessivo-Compulsivo

As pessoas que sofrem de um Transtorno Obsessivo-Compulsivo também têm pensamentos perturbadores (obsessões) que condicionam a sua ação e utilizam determinados rituais (compulsões) para controlar a ansiedade que esses pensamentos provocam. No entanto, na maioria das vezes, as ações compulsivas acabam por dominar os seus pacientes. Por exemplo, se uma pessoa estiver obcecada com a limpeza, é natural que ela desenvolva uma compulsão em lavar as mãos de uma forma repetitiva. Também pode estar obcecada com a ideia de existirem intrusos e estar constantemente a trancar as portas de casa. Por outro lado, pode desenvolver um embaraço social e passar horas diante do espelho a pentear-se compulsivamente para ficar com a melhor aparência possível.

A realização destes rituais (compulsões) não é nada saudável, nem agradável. Na melhor das hipóteses, produz um alívio temporário da ansiedade criada por pensamentos obsessivos. O Transtorno Obsessivo-Compulsivo é tipicamente uma desordem de ansiedade mas, quando uma pessoa idosa sofre com isso, a sua condição pode estar relacionada com a doença de Alzheimer ou demência.

A acumulação compulsiva

A acumulação compulsiva está relacionada com a aquisição ou recolha ilimitada de bens, animais domésticos ou objetos e a incapacidade de se livrar deles. Trata-se de uma doença que está associada à ansiedade e ao Transtorno Obsessivo-Compulsivo e afeta milhares de pessoas em todo o mundo.

As pessoas que tendem a acumular compulsivamente identificam as suas posses como parte da sua própria identidade e a perda de algum bem ou objeto pode produzir uma ansiedade extrema e/ou sensação de perda e de luto.

A acumulação compulsiva demonstra ser um indicador de um enorme sentido de responsabilidade ou medo profundo de errar, pois é uma forma das pessoas se auto pressionarem a fazerem tudo bem feito. Também é de realçar que muitas pessoas colecionam todo o tipo de bens e de objetos porque temem que as suas memórias fiquem perdidas e esquecidas no passado.

Como tratar e controlar os transtornos de ansiedade

O tratamento para transtornos de ansiedade pode ser diferente de pessoa para pessoa, de acordo com a situação clínica de cada paciente. No entanto, a maioria das desordens deste género pode ser tratada com medicação e psicoterapia. Em alguns casos, a combinação de medicamentos com sessões de psicoterapia revela-se a melhor forma de tratamento.

A terapia cognitivo-comportamental

A terapia cognitivo-comportamental é muito importante no tratamento de transtornos de ansiedade. A parte cognitiva ajuda as pessoas a mudar os padrões de pensamento que suportam os seus medos e a parte comportamental ajuda as pessoas a mudar a forma como reagem à ansiedade. Este tipo de terapia pode ser muito demorado, mas produz resultados muito animadores.

A medicação

Atualmente, os produtos farmacêuticos utilizados no tratamento das desordens de ansiedade são os antidepressivos (como o cloridrato de sertralina, fluoxetina, paroxetina e outros inibidores seletivos da recaptação de serotonina) e as benzodiazepinas (como o diazepam e o bromazepam). Porém, um especialista pode optar por outros medicamentos, de acordo com a situação clínica do paciente.

Também é de realçar que o exercício físico diário e os treinos de relaxamento, como aqueles que são praticados nos exercícios de ioga, são uma ótima forma de tratamento para as pessoas que sofrem de um transtorno de ansiedade, uma vez que os mantém com a mente ocupada e distraída.

A sua votação: 
Average: 4.2 (9 votos)